sábado, 17 de junho de 2006

Ao Vinicius de Morais

Ah, mas antes um convite a visitar http://abiblogteca.blogspot.com/2006/06/poemas.html e ler dois poemas escritos por duas alunas do Ensino Básico. Como alguns dizem que pelas Escolas não se passa nada...














(imagem retirada daqui)

Soneto da separação
(Tom Jobim e Vinícius de Moraes)


De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente


Sem comentários:

Enviar um comentário