quinta-feira, 21 de maio de 2009

814 - Como eu os invejo...

Por estes dias ao navegar pelos blogues que sigo tenho lido muita e boa poesia.

Admito que isso me tem tirado inspiração. Como escrever se, ao lado, tudo nos parece tão certinho e cada palavra no seu devido lugar?

Não, não é falsa modéstia, nem baixa auto-estima (olha quem!)

De momento só me apetecem as palavras dos outros e,por estes dias, estas que não me saiem da cabeça de manhã à noite, talvez por achar que acabo por ser um livro aberto neste espaço!

Encosta-te a mim,
nós já vivemos cem mil anos
encosta-te a mim,
talvez eu esteja a exagerar
encosta-te a mim,
dá cabo dos teus desenganos
não queiras ver quem eu não sou,
deixa-me chegar.
Chegado da guerra,
fiz tudo p´ra sobreviver em nome da terra,
no fundo p´ra te merecer
recebe-me bem,
não desencantes os meus passos
faz de mim o teu herói,
não quero adormecer.

Tudo o que eu vi,
estou a partilhar contigo
o que não vivi, hei-de inventar contigo
sei que não sei, às vezes entender o teu olhar
mas quero-te bem, encosta-te a mim.

Encosta-te a mim,
desatinamos tantas vezes
vizinha de mim, deixa ser meu o teu quintal
recebe esta pomba que não está armadilhada
foi comprada, foi roubada, seja como for.
Eu venho do nada porque arrasei o que não quis
em nome da estrada onde só quero ser feliz
enrosca-te a mim, vai desarmar a flor queimada
vai beijar o homem-bomba, quero adormecer.

Tudo o que eu vi,
estou a partilhar contigo o que não vivi,
um dia hei-de inventar contigo
sei que não sei, às vezes entender o teu olhar
mas quero-te bem, encosta-te a mim

Encosta-te a mim
Encosta-te a mim

Quero-te bem.

Encosta-te a mim.

Sem comentários:

Enviar um comentário