terça-feira, 5 de maio de 2009

797 - Sim eu sei é muito polémico...





Porque o dia da mãe é quando um Homem quiser!

Confesso que, no geral, não gosto de dias de... (no geral...)
Esta ideia do dia disto e daquilo, comemorado a horas certas não me seduz... Então o Carnaval! alegria a horas e dias certos! não pega...

Também o dia da mãe, no geral, não é coisa que muito me entusiasme.

No entanto...

Ensinarás a voar...
Mas não voarão o teu voo.
Ensinarás a sonhar...
Mas não sonharão o teu sonho.
Ensinarás a viver...
Mas não viverão a tua vida.
Ensinarás a cantar...
Mas não cantarão a tua canção.
Ensinarás a pensar...
Mas não pensarão como tu.
Porém, saberás que cada vez que voem, sonhem, vivam, cantem ou pensem...
Estará a semente do caminho ensinado e aprendido!
(Madre Teresa de Calcutá)


É isto que gosto de recordar da minha mãe. Por isso só hoje é que publico o post.
Deste dia da mãe, confesso, sou fã! No entanto, reconheço que quem fica de fora sofra um pouco...

Juro que li o texto abaixo há muitos anos e é assim que procuro ser pai... (procuro foi a palavra que usei...)


Teus filhos não são teus filhos.
São filhas e filhos da vida por si mesma.
Eles vêm através de ti mas não de ti,
E embora estejam contigo, não te pertencem.

Poderás dar-lhes teu amor,
mas não teus pensamentos,
pois eles têm seus próprios pensamentos.

Poderás acolher seus corpos mas não suas almas,
pois suas almas habitam a mansão do amanhã
que não podes visitar nem mesmo em sonhos.

Poderás tentar ser como eles,
Mas não tentes torná-los semelhantes a ti.
Pois a vida não para, nem se atrasa com o dia passado.

Tu és o arco pelo qual teus filhos,
como flechas vivas, são projectados.
O Arqueiro vê o alvo no caminho do infinito,
e ele te dá sua força para que
suas flechas voem celeres para longe.

Que tua firmeza pela mão do arqueiro
seja para a alegria.
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
ama o arco que permanece firme.


Autor Khalil Gibran
1883-1926

Sem comentários:

Enviar um comentário