sábado, 21 de novembro de 2009

A Vida em Surdina




David Logde é um dos meus autores favoritos. Este Verão deliciei-me com a leitura de mais um livro deste autor britânico.

David Lodge, nas suas obras, descreve, de forma notável, as dores mais comuns dos seres humanos - a solidão, a perda, a incompreensão, a velhice, o desespero – nunca esquecendo de contrapor sentimentos mais positivos como o amor. A arte da narrativa de Lodge conduz-nos a um misto entre realidade e ficção, nunca sabendo onde está a fronteira.Descreve os ambientes de uma forma pormenorizada, as paisagens, as ruas, as mobilias, até os cortinados ....ou seja conseguimos facilmente “entrar” dentro dos livros dele, como quem está a participar na acção.

A Vida em Surdina conta-nos a história do professor universitário Desmond Bates que se reformou antecipadamente por problemas auditivos. Desmond Bates conta-nos as conversas que tem, ou tenta ter, as suas relações com a mulher, com o pai, com os filhos, colegas e também com uma jovem aluna da universidade. É um relato que nos obriga a reflectir sobre a condição humana e principalmente sobre a velhice…

Tal como David Lodge nos habitou, A Vida em Surdina, é uma história recheada de humor e que a maioria de nós, pensa que a surdez é cómica, enquanto a cegueira é trágica, mas isso é apenas um pequeno pormenor.
Recomendo!

1 comentário:

  1. Júlia:

    Ou muito me engano ou as temáticas são parecidas com a sugestão do Millás.

    O que é engraçado pois todos nós temos fases em relação a temas...

    Eu andei pelo Saramago, Holocausto...

    bjs

    João

    ResponderEliminar