terça-feira, 6 de setembro de 2011

1396 - o tempo não é todo igual, ai não é não!!

















E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se envolam tantos anos.


David Mourão Ferreira

3 comentários:

  1. Olá J.P.
    Tenho andado muito pelo facebook, mas senti saudades dos blogs e voltei. Amei este poema! beijos grandes.

    ResponderEliminar
  2. Até respirei fundo quando vi qual era o poema... é de uma beleza indescritível!
    Obrigada, João.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Clotilde:

    Bem vinda de volta ao mundo dos blogues!

    Agora já nos podemos "encontrar" nos dois mundos ;-)


    Maria:

    É muito engraçado a percepção que vamos tendo sobre as afinidades de gostos! nunca imaginei que fosse possível que a NET oferecesse esta possibilidade.

    Beijo

    João

    ResponderEliminar