terça-feira, 26 de julho de 2011

A Herança de Eszter

Confesso que gostei mais do primeiro livro de Sándor Márai, "As velas ardem até ao fim"  pois o tipo de enredo é aqui novamente repetido, sendo que este gira à volta da ideia de que:   

"O destino é inevitável."

Este é mais um romance que trata disso mesmo: da inevitabilidade do destino no que à protagonista diz respeito e, nisso o autor, é sublime ao contar-nos a sua história.
Eszter contempla, imersa na sua própria saudade, como se desmorona tudo aquilo que o tempo demorou a criar. O passado é o núcleo em torno do qual a história se desenvolve, numa espécie de duelo sentimental, em forma de monólogo.
Eszter vive num refúgio idêntico a um castelo de cartas, que começa a ruir com a visita do seu antigo amor - Lajos...
A história ensina-nos, então, o quão frágil é a ideia de criar o nosso próprio microcosmos e de viver afastados;  pois, como qualquer microcosmos, quando uma força maior chega, é destruído...

 

Sem comentários:

Enviar um comentário