quinta-feira, 16 de junho de 2011

1365- pensamentos ao correr da pena
















1 - Da janela do comboio já não se vêem Jacarandás no Palácio das Necessidades. Foi uma explosão de cor que durou 2 ou 3 semanas. Agora voltou o verde mas as cores de Lisboa são agora o fogo do Verão que se aproxima (amarelos, vermelhos, dourados...)
Que pena não ter trazido a máquina. Era giro ir comparando as tonalidades...

2 - Um destes dias (acho que foi segunda) estava tão embrenhado na leitura que iá ficando fechado no metro. Não é que não ouvi: estação terminal. Pede-se aos Srs passageiros...?
Lá bati à porta e lá me a abriram.... quem me manda ler o Primo Levi...
3 - Ontem dei a última aula deste ano lectivo. Ficou um não sei quê... Os miúdos foram quase unânimes nos textos que fizeram que me acharam "fixe"... Eu é que os vejo partir com a noção do que poderia ter sido e de que não houve tempo para nada e tanto que tinha para conversar ainda com eles. Deitei a rede ao mar, semeei, Eles serão os novos pescadores e colherão os frutos. Que sejam felizes! bem o merecem tais as carências que alguns tinham... tudo servia para chamar a atenção, havia até um que parecia que tinha pregos nas cadeiras e estava sempre de pé. Precisava de ser "visto". Um afago e lá sossegava ele. Que vidas!
Muitos deles têm muitas potencialidades. A ver o que a vida faz deles e o que eles fazem da vida!
"havia de haver uma festa... o que eu espero da vida é viver"

4 - E sempre esta noção de insatisfação. Será a forma como eu vejo as coisas tão diferente da forma como eles a vêem ou me vêem?Serei louco? estarei louco? podem-me os sentidos trair tanto? será imaginação?
"Era uma vez um homem chamado Job, que vivia no país de Hus. Era um homem íntegro e recto, que temia a Deus e evitava o mal. Tinha sete filhos e três filhas. Possuía também sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois, quinhentas mulas e grande número de empregados. Job era o mais rico dos homens do Oriente.
Os filhos de Job costumavam fazer banquetes, um dia na casa de cada um, e convidavam as três irmãs para comer e beber com eles. Quando terminavam esses dias de festa, Job mandava-os chamar, para os purificar. Ele madrugava e oferecia um holocausto por cada um deles, pensando: «Talvez os meus filhos tenham pecado, ofendendo a Deus no seu coração». E Job fazia assim todas as vezes.
Certo dia, os anjos apresentaram-se diante de Deus e, entre eles, foi também Satanás. Então Deus perguntou a Satanás: «De onde vens?» Satanás respondeu: «Fui dar uma volta pela Terra». Deus disse-lhe: «Reparaste no meu servo Job? Na Terra não existe nenhum outro como ele: é um homem íntegro e recto, que teme a Deus e evita o mal».Satanás respondeu a Deus: «E é a troco de nada que Job teme a Deus? Tu mesmo puseste um muro de protecção ao redor dele, da sua casa e de todos os seus bens. Abençoaste os seus trabalhos, e os seus rebanhos cobrem toda a região. Estende, porém, a mão e mexe no que ele possui. Garanto-Te que ele Te amaldiçoará na face!»
Então Deus disse a Satanás: «Pois bem! Faz o que quiseres ao que ele possui, mas não estendas a mão contra ele». E Satanás saiu da presença de Deus.
Certo dia, os filhos e filhas de Job comiam e bebiam na casa do irmão mais velho..."

(felizmente que a leitura que agora trago comigo apresenta um personagem que pensa da mesma forma...) 

3 comentários:

  1. Os jacarandás deviam ficar floridos pelo menos 3 meses. Toda a primavera. É que são tão bonitos...
    Mas as cores do verão também são belas. Por mim, no entanto, prefiro as do outono...

    Beijo, João.

    ResponderEliminar
  2. Os jacarandás permanecem ainda em flor, na minha memória.
    E este texto fez-me sorrir de tão...eternecedor porque real.

    ResponderEliminar
  3. Olá AnaMar:

    Lá real é. às vezes fico admirado é de fazer sentido para mais alguém!

    Bjs

    João P.

    ResponderEliminar