sábado, 4 de abril de 2009

765 - Memórias de uma infância já muito longínqua



A tarde de hoje foi dedicada à ida ao Aquário Vasco da Gama. Há imensos anos que não ia lá...

Foi dia de relembrar outros tempos....

A primeira fez que lá fui (que me recorde) foi pela mão dos meus pais e lembro-me bem de me ter apavorado com a visão de um peixe (terá sido a enguia eléctrica que já não existe? terá sido pela visão de outros peixes que me pareceram enormes na altura?). Devia ser bem pequeno.
Voltei lá algumas vezes com a escola e durante a adolescência. Quantos e quantos miúdos como eu se maravilharam com as focas (ou otárias) e com as tartarugas? Elas (ou outras novas) continuam lá a fazer as delícias dos pequenos (e maiores).
Hoje fixei a atenção também na parte museológica e com a actividade científica do Rei D. Carlos. Claro que hoje exageros por parte da Monarquia ao viver com luxos e opulência numa altura em que grande parte da população se "matava" para sobreviver,mas há que lhe reconhecer o mérito de ter posto Portugal na rota diplomática e de promover a ciência neste país...
Gostei de ver a preocupação ambiental do Aquário. Parar era morrer e o Aquário não parou (apesar da grande concorrência do oceanário). Vêm-se lá painéis e salas novas (as dos anfíbios, o auditório...)Parabéns pelo dinamismo.
Mas o que gostei mais de ver foram os avós e netos a saborearem o aquário... Nesta pausa de Páscoa, foi muito enternecedor ver crianças pelas mãos dos avós a visitarem o aquário e a verem um espaço que lhes deve parecer enooooorme, com peixes enooormes e a escutarem todas as explicações que os avós (pacientemente)lhes dão... Abençoadas pausas que permitem estes tempos de qualidade.
Foi também muito bonito ver os trabalhos das escolas expostos no auditório
Outras crianças como eu fui se deslumbram com as focas e as tartarugas e descrevem a seu modo toda a aprendizagem de um dia de visita... É fantástico observar os desenhos e a forma como as crianças descrevem os peixes e os tamanhos que lhes dão. Também não é de desprezar a forma como elas representam os adultos que lhes são significativos...
Como diziaa canção: "são os putos deste povo a aprenderem a ser gente"

A visita terminou no café do Aquário (com vista para o Tejo) e com um tempo de leitura da "ética para um jovem" do Savater .
Obrigado A.V.G. por ainda existires

Sem comentários:

Enviar um comentário