quinta-feira, 26 de julho de 2012

1517 - nunca mais acabam as tarefas...

Mais um ano em que a transição entre o trabalho e o desligar o computador de vez não se está a fazer de forma fácil. De momento ainda tenho 3 tarefas por concluir... Relatórios para acabar...
Há então um, o relatório de auto-avaliação que só deverá ter três páginas que está a demorar tempos infinitos para acabar...

Nem as idas à natação, nem os gatitos que crescem a olhos vistos fazem com que a inspiração surja.

Para agravar a situação, tenho em frente a mim o mais novo que desarruma o quarto de modo a que este seja pintado a partir de amanhã. Já estou a imaginar as visitas a aparecerem!

Ah, férias, férias...


BREVE CANÇÃO DO VENTO OESTE

Ele há-de vir o vento oeste
ele há-de vir e há-de levar
as vãs palavras que escreveste.
Ele há-de vir com seu presságio
e os címbalos que já trazem o som do inverno
ele há-de vir o vento oeste e há-de apagar
o verão que parecia ser eterno.

Ele há-de vir com seu adágio
suas orquestras em convés que vão ao fundo
ele há-de vir e há-de apagar
a escrita a jura as ilusões do mundo.

Em cada verso há um naufrágio
não sei de poema que não seja mar

Foz do Arelho, 30-8-2003

Manuel Alegre


Sem comentários:

Enviar um comentário