quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

1240 - Testemunhos de Natal



No último dia de aulas acompanhei uma turma numa festa de Natal organizada pela DT e conselho de Turma.

Cantaram, riram e também disseram, à maneira de um jogral, o poema abaixo. É mesmo um poema delicioso que foi escrito para ser dito e não apenas para ser lido.

Veja-se a fonética e a onomatopeia! Belo.

Quem o escreveu? Vinicius, pois claro


Testemunhos de Natal

De repente o sol raiou
E o galo cocoricou:

— Cristo nasceu!

O boi, no campo perdido
Soltou um longo mugido:

— Aonde? Aonde?

Com seu balido tremido
Ligeiro diz o cordeiro:

— Em Belém! Em Belém!

Eis senão quando, num zurro
Se ouve a risada do burro:

— Foi sim que eu estava lá!

E o papagaio que é gira
Pôs-se a falar: — É mentira!

Os bichos de pena, em bando
Reclamaram protestando.

O pombal todo arrulhava:
— Cruz credo! Cruz credo!

Brava
A arara a gritar começa:

— Mentira! Arara. Ora essa!

— Cristo nasceu! canta o galo.
— Aonde? pergunta o boi.
— Num estábulo! — o cavalo
Contente rincha onde foi.

Bale o cordeiro também:

— Em Belém! Mé! Em Belém!

E os bichos todos pegaram
O papagaio caturra
E de raiva lhe aplicaram
Uma grandíssima surra.

Sem comentários:

Enviar um comentário