domingo, 2 de outubro de 2011

1409 - Saudades de Coimbra

Adriano foi o meu fiel companheiro no tempo de Coimbra. Esta foi uma das músicas que mais me acompanhou. Amar serenamente e tanta inquietação. Calma e inquietação. Que futuro escolher? 

Como Hei-de Amar Serenamente


Como hei-de amar serenamente
Com tanto amigo na prisão.
Deixar intacta a minha voz
Para os acidentes da ternura.
Como hei-de estar sentado e calmo
Sentado e calmo com a minha amada.

Como hei-de estar sentado e calmo
Sentado e calmo com a minha amada.
Vendo os amigos desvanecendo
Na fria névoa da manhã.
Como hei-de estar amada contigo
E repousado sobre estas notícias?

Como hei-de estar amada contigo
E repousado sobre estas notícias?
Setas que lançam inesperadas
Para o meu flanco tão mortal.
Não posso estar serenamente
Não posso amar serenamente.


Não posso estar serenamente
Não posso amar serenamente.
Os versos esmagam-se na boca
E fica mais amarga a minha boca.
Não posso estar serenamente
Não posso amar serenamente.

Adriano Correia de Oliveira

2 comentários:

  1. À tua pergunta apeteceu-me de imediato escolher: o mesmo que escolheu Adriano, do lado em que sempre esteve na vida.

    Beijo, João

    ResponderEliminar
  2. É Maria!

    Uma escolha constante e consciente fruto de uma lógica de muitos anos

    beijo

    João

    ResponderEliminar