quinta-feira, 31 de março de 2011

Semana da leitura - um relato pessoal

 
Na semana passada tive a grata oportunidade de participar nas actividades da semana de leitura em duas escolas. Na minha, a EBI da Charneca de Caparica   e em Braga no agrupamento de Escolas do Carandá . As escolas fizeram propostas diferentes... Na minha a proposta teve como público alvo os professores. Estes foram convidados a ir bebver um chá à biblioteca e disfrutar da leitura de um livro. Foi uma excelente oportunidade para redescobrir a colecção da Biblioteca e ver as novidades. Saí de lá satisfeito pelo chá, pela companhia, pelas leituras e com três requisições domiciliárias!  

No Agrupamento de escolas do Carandá em Braga a proposta dirigia-se a toda a comunidade educativa e realizou-se após o jantar. Fiquei deveras impressionado com a adesão de pais, alunos, professores a uma 6ª feira à noite. A casa estava cheia e foi comovente ver e ouvir alunos, pais, professores e auxiliares de acção educativa dizer poesia...
Ficaram na memória a participação de algumas crianças emigrantes dos países de leste a direzem poesia na sua língua de origem (faz todo o sentido! experimente-se ser emigrante e perceber-se-á o sentido que as palavras ditas na nossa língua têm) e de um Auxiliar de Acção Educativa que disse "sonho" de Eugénio de Castro. Que belo, há poemas feitos mesmo para serem DITOS. Que força têm as palavras

Eugénio de Castro


Um Sonho

Na messe , que enlourece, estremece a quermesse...
O sol, celestial girasol, esmorece...
E as cantilenas de serenos sons amenos
Fogem fluidas, fluindo a fina flor dos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos,
Cítolas,cítaras,sistros,
Soam suaves, sonolentos,
Sonolentos e suaves,
Em Suaves,
Suaves, lentos lamentos
De acentos
Graves
Suaves...

Flor! enquanto na messe estremece a quermesse
E o sol,o celestial girasol,esmorece,
Deixemos estes sons tão serenos e amenos,
Fujamos,Flor!à flor destes floridos fenos...

Soam vesperais as Vésperas...
Uns com brilhos de alabastros,
Outros louros como nêsperas,
No céu pardo ardem os astros...

Como aqui se está bem!Além freme a quermesse...
- Não sentes um gemer dolente que esmorece?
São os amantes delirantes que em amenos
Beijos se beijam,Flor!à flor dos frescos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos,
Cítolas,cítaras,sistros,
Soam suaves, sonolentos,
Sonolentos e suaves,
Em Suaves,
Suaves, lentos lamentos
De acentos
Graves,
Suaves...

Esmaiece na messe o rumor da quermesse...
- Não ouves este ai que esmaiece e esmorece?
É um noivo a quem fugiu a Flor de olhos amenos,
E chora a sua morta,absorto,à flor dos fenos...

Soam vesperais as Vésperas...
Uns com brilhos de alabastros,
Outros louros como nêsperas,
No céu pardo ardem os astros...

Penumbra de veludo . Esmorece a quermesse...
Sob o meu braço lasso o meu Lírio esmorece...
Beijo-lhe os boreais belos lábios amenos,
Beijo que freme e foge à flor dos flóreos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos ,
Cítolas,cítaras,sistros ,
Soam suaves , sonolentos ,
Sonolentos e suaves ,
Em Suaves ,
Suaves, lentos lamentos
De acentos
Graves,
Suaves...

Teus lábios de cinábrio,entreabre-os!Da quermesse
O rumor amolece,esmaiece,esmorece...
Dê-me que eu beije os teus morenos e amenos
Peitos!Rolemos,Flor!à flor dos flóreos fenos...

Soam vesperais as Vésperas...
Uns com brilhos de alabastros,
Outros louros como nêsperas,
No céu pardo ardem os astros...

Ah! não resista mais a meus ais!Da quermesse
O atroador clangor,o rumor esmorece...
Rolemos,ó morena!em contactos amenos!
- Vibram três tiros à florida flor dos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos,
Cítolas,cítaras,sistros,
Soam suaves, sonolentos,
Sonolentos e suaves,
Em Suaves,
Suaves, lentos lamentos
De acentos
Graves,
Suaves...

Três da manhã.Desperto incerto...E essa quermesse?
E a Flor que sonho? e o sonho? Ah!tudo isso esmorece!
No meu quarto uma luz,luz com lumes amenos,
Chora o vento lá fora,à flor dos flóreos fenos...

Arcachon,12 de julho de 1889.

1 comentário: