segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Nuno Álvares Pereira de Jaime Nogueira Pinto



Estou prestes a terminar a leitura de "Nuno Álvares Pereira" (leitura começada logo no início da interrupção de Natal)

É um livro bastante interessante, de leitura fácil, que nos mostra com frescura renovada o contexto político, cultural e social em que D. Nuno se moveu. Dá para perceber que D. Nuno era uma personagem que soube ler os sinais dos tempos da sua época e que teve a coragem de fazer opções...

Como dele só conhecia as histórias dos meus livros da primária feita antes de 74 que o endeusavam tendo como fito passar uma determinada imagem da História, fiquei muito agradado com a leitura desta obra.

Penso que é um trabalho sério e cuidado de investigação

Deixo-vos com a sinopse da obra feita pela própria editora

Sinopse:


Foi graças à vontade política de Nuno Álvares Pereira, ao seu génio militar e à sua integridade que os portugueses, na grande crise do século XIV, conseguiram derrotar as forças de D. João de Castela. E foi ele quem guardou a nação independente, preparando-a para o novo tempo português de navegação e expansão além-mar. Mas o que sabemos desta grande figura da nossa História que nas últimas décadas caiu no esquecimento? Quase 600 anos após a sua morte, a canonização solene em Roma do Santo Condestável de Portugal não deixou de causar espanto e de levantar velhas questões. Pode um chefe de guerra chegar aos altares? Pode um santo ser guerreiro e um guerreiro ser santo? Nuno Álvares Pereira mostra-nos que sim. E não por um qualquer arrependimento tardio, por uma troca aparentemente súbita e em fim de vida da cota de malha pelo hábito de monge: entre as intrigas da corrupta corte fernandina e o poder e a glória da Casa de Avis, nas horas difíceis da revolução de Lisboa e nas batalhas de Aljubarrota, Atoleiros e Valverde que marcaram a Guerra da Independência, S. Nuno de Santa Maria sempre procurou ser, no espírito e na letra, o cavaleiro perfeito, indo contra muito daquilo que, na guerra e na paz, era regra no tempo.

1 comentário: