quinta-feira, 19 de abril de 2012

1490 - nós nascemos para ter asas!

O Fanha foi hoje à minha escola. Encheu-nos as medidas a todos. Foi mesmo fabuloso, sendo que os meninos foram "super" e até lhe colocaram questões bem interessantes!

Vou fazendo o apanhado aqui pois o que ele e "eles" partilharam vale bem a pena!

Espero que "eles" (e eu) nunca se esqueçam disto e que têm o direito de ter opinião e participar! 


"Nós nascemos para ter asas, meus amigos.
Não se esqueçam de escrever por dentro do peito: nós nascemos para ter asas.
No entanto, em épocas remotas, vieram com dedos pesados de ferrugem para gastar as nossas asas como se gastam tostões.
Cortaram-nos as asas para que fôssemos apenas operários obedientes, estudantes atenciosos, leitores ingénuos de notícias sensacionais, gente pouca, pouca e seca.
Apesar disso, sábios, estudiosos do arco-íris e de coisas transparentes, afirmam que as asas dos homens crescem mesmo depois de cortadas, e, novamente cortadas, de novo voltam a ser.
Aceitemos esta hipótese, apesar de não termos dela qualquer confirmação prática.
Por hoje é tudo. Abram as janelas. Podem sair."
José Fanha, 1985. Cartas de Marear.

2 comentários:

  1. Imagino como professor e alunos gostaram.
    O Fanha começa a falar e prende a atenção no encadeamento das estórias que conta.
    O poema que escolheste é fantástico. Já passou lá pela ilha.

    Beijo, João.

    ResponderEliminar
  2. Maria:

    E pelo teu Facebook (e muito bem!) é mesmo bom ter isso sempre presente

    beijo

    João P.

    ResponderEliminar