segunda-feira, 12 de abril de 2010

Diário - Etty Hillesum (1941 - 1943)



Acabei mesmo agora de o ler e fi-lo numa penada.
Sim, o Diário é do tempo da guerra;
Sim é mais um judia...

No entanto sendo um fabuloso relato de uma vida interior não trás aqueles relatos fortíssimos dos horrores dos campos. DEscansem as mentes mais sensíveis.

Fez-me lembrar o livro do Primo Levi que tinha acabado de ler há pouco ao referir as formas com que cada um arranjava força para resistir a tão grande pressão (Cf. os que sucubem e os que se salvam - Págs 144 a 147). Etty resistiu interiormente graças a uma aproximação a Deus

---
Via wikipédia

Etty Hillesum

Esther Hillesum nasceu a 25 de Janeiro de 1914, em Middelburg (Holanda). Quando tinha 10 anos de idade, mudou-se com a família (os pais e os dois irmãos, Mischa e Jaap, ambos mais novos que ela) para Deventer. Foi nessa cidade que cresceu e fez parte dos seus estudos, no liceu onde o seu pai era reitor, rumando a Amesterdão aos 18 anos de idade, para estudar Línguas Eslavas. Em Fevereiro de 1941 conheceu o psicoquirologista Julius Spier, com quem iniciou tratamento. Tornaram-se amigos e amantes, apesar dos compromissos que tinham com outras pessoas e da grande diferença de idades — Etty tinha 27, Spier estava na casa dos 50. Spier esteve na origem do interesse que Etty desenvolveu pela psicologia, e também na sua aproximação a Deus (embora de origem judaica, a sua educação foi muito pouco orientada pelos preceitos da religião; o diálogo com Deus tornou-se mais intenso e frequente já na idade adulta). A 9 de Março de 1941 começou a escrever o primeiro de oito diários, onde encontramos as suas reflexões pessoais e sobre a humanidade (exercício influenciado pelas sessões de tratamento com Spier), a sua vida académica (onde sobressaem o interesse pelo estudo da língua russa e a leitura apaixonada da obra de Rainer Maria Rilke), o círculos de amigos e o seu testemunho da segunda Guerra Mundial em território holandês. A 15 de Julho de 1942 começou a trabalhar como dactilógrafa no Conselho Judaico (órgão burocrático criado pelos alemães para comunicar com a comunidade judaica), na secção de «Apoio aos convocados para transporte». Habituada ao trabalho académico intelectualmente estimulante, enfastiava-se no Conselho Judaico, o que a impeliu, a par de outros funcionários do Conselho, a decidir voluntariar-se para prestar apoio no campo de trânsito de Westerbork (na província holandesa de Drenthe), onde muitos judeus trabalhavam e viviam (em barracas), antes de serem levados para os campos de concentração e extermínio. Partiu para esse campo em Agosto, não obstante ter regressado a Amesterdão numerosas vezes (numa delas para acompanhar os últimos dias de vida de Spier, que morreu de doença em Setembro de 1942). A última entrada do seu diário de que há conhecimento data de 13 de Outubro de 1942. Em Setembro de 1943, Etty foi deportada para Auschwitz, vindo a falecer em Novembro desse ano.

1 comentário:

  1. Um prazer, esta leitura sobre um tema que nunca se gastará nem poderá deixar de fazer parte de uma (má) memória colectiva.

    L.B.

    ResponderEliminar