sábado, 16 de dezembro de 2017

1858 (do amor) - Sem amor

Sem Amor




Viver sem amor
É como não ter para onde ir
Em nenhum lugar
Encontrar casa ou mundo.

É contemplar o não-acontecer
O lugar onde tudo já não é
Onde tudo se transforma
No recinto
De onde tudo se mudou.

Sem amor andamos errantes
De nós mesmos desconhecidos

Descobrimos que nunca se tem ninguém
Além de nós próprios
E nem isso se tem.

ANA HATHERLY
A Neo-Penélope


voz: Cristina Paiva

música: Nils Frahm

sonoplastia: Fernando Ladeira

Sem comentários:

Enviar um comentário