quarta-feira, 29 de novembro de 2017

1857 (de sentido da vida) Eu hei-de envelhecer assim

Eu hei-de envelhecer assim



Eu hei-de envelhecer assim,
a fugir à frente dó tempo, sem parar,
a correr atrás do tempo, sem conseguir?
Eu hei-de envelhecer assim,
a sonhar, por ofício, um mês de Abril
cada dia mais distante?

Eu hei-de envelhecer assim,
ao tilintar de telefones e telexes
sem· silêncio para a música e para amar?

Eu hei-de envelhecer assim,
a matar, com afinco, diariamente,
o poeta que em mim ainda não morreu?

Eu hei-de envelhecer assim,
neste enredo de julgamentos e notícias,
sem a mão estendida do meu filho pequeno?

Eu hei-de envelhecer assim,
o fumo das reuniões, as pastas, os papéis
- e a alma, ferida, na gaveta fechada?

Eu hei-de envelhecer assim,
a vida escoando-se, esquálida, nesta sala,
e o sol, como um pássaro, nas árvores da Avenida?

Eu hei-de envelhecer assim,
lá fora a luz da tarde, o riso das raparigas,
o crepitar da cidade,

e eu aqui dentro,
longe de mim e do meu centro,
longe do mar, longe do sol, longe do vento?

JOSÉ CARLOS DE VASCONCELOS
de Repórter do Coração
Ed. Asa


voz - Cristina Paiva

música - Matmos

sonoplastia - Fernando Ladeira

desvendado - Ana Eustáquio

Sem comentários:

Enviar um comentário