quinta-feira, 1 de junho de 2017

1846 (do espanto de existir) Pára-me de repente o Pensamento ...

SONETO

Pára-me de repente o Pensamento ...
- Como que de repente refreado 
Na Douda Correria em que levado ...
- Anda em busca da paz, do esquecimento... 

Pára Surpreso... Escrutador... Atento
Como pára... um Cavalo Alucinado 
Ante um Abismo... ante seus pés rasgado...
Pára... e Fica... e Demora-se um Momento...

Vem trazido na Douda Correria
Pára à beira do Abismo e se demora 

E Mergulha na Noite, Escura e Fria 
Um olhar d'Aço que na Noute explora... 

- Mas a Espora da dor seu flanco estria...

- E Ele Galga... e Prossegue... sob a Espora!

Ângelo de Lima
"Poesias Completas, Assírio e Alvim, 1991, p. 55

Sem comentários:

Enviar um comentário