terça-feira, 10 de janeiro de 2017

1829 (Do espanto de viver) - Os olhos são palavras


DE REPENTE OS OLHOS SÃO PALAVRAS

Quem fui? O que fui? O que somos?
Não há resposta.
Passámos. Não fomos. Éramos.
Outros pés, outras mãos, outros olhos.
Mas aprendi muito com a grande maré das vidas,
com a ternura da vista em milhares de olhos
que me viam ao mesmo tempo.

Pablo Neruda

Sem comentários:

Enviar um comentário

1897 (da resiliência) - Uma vez que já tudo se perdeu

Uma vez que já tudo se perdeu Que o medo não te tolha a tua mão Nenhuma ocasião vale o temor Ergue a cabeça dignamente irmão Falo-te em...