domingo, 9 de agosto de 2015

13 - (Daqulo que fomos e somos) - Carregando o vento às costas

Carregando o vento às costas

Carregando  ovento
às costas
abri portas
fechei portas
derrubei a urgência juvenil
sobre os destroços
de uma cidade cercada.

Atravessei com doçura
o ovo estilhaçado da infância.

Tacteei a frescura
dos cadernos novos.
Enjoei
o gasóleo no banco
de trás dos autocarros,
o gosto do cefé com leite
requentado,
os casacos grossos
nas manhãs de Inverno.

Fui crescendo
como cresce o mineral
bruto e duro
e distraído
no ventre sujo
de uma cidade adiada.
Percorri os corredores sombrios
dos cinemas de reprise
a cheirar a crinolina

Acordei 24 vezes por segundo
La Nobia
no palco
Gary Cooper
onde o Tsar Ivan
Humphrey Bogart
passeia Marylin
o cometa da loucura.

Fui um pouro triste arremetado
em busca de uma sombra
ou de um caminho.

Mordi o desespero.

Ardi espontânreamente
sem saber ainda
como é bela e transitória
a combustão.

E agora que cheguei
como costuma dizer-se
à idade madura
vejo como o mundo
se estreitou
e os caminhos se alargaram
com lágrimas de musgo
e de cristal.

Agora que cheguei
como costuma dizer-se
à idade madura
abro portas
fecho portas
carregsando sempre
o vento
às costas.

José Fanha

Sem comentários:

Enviar um comentário