segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

39 - (da poesia e da beleza) - Naquele dia

Naquele dia 

Havia dentro das palavras
multidões a correr em cada imagem
praças cheias de versos e versos cheios de
gente. Havia uma rua pela página acima
e folhas e folhas pela rua. Havia o teu rosto
na cidade. Ou talvez a cidade no teu rosto.
Havia naquele dia o que
se via e não se via. E só se ouvia
o que não se
ouvia.
Era uma surda obsessiva
litania. Ou talvez
poesia.

Manuel Alegre 

Sem comentários:

Enviar um comentário