quarta-feira, 30 de maio de 2012

A leitura como crescimento interior

Eis mais um excelente vídeo acerca da leitura. Aqui ela é vista como possibilidade de crescimento interior, espaço de liberdade, oportunidade de viajar e fantasiar.

Vale a pena "viajar" no filme.

 

segunda-feira, 28 de maio de 2012

1499 - Quase verão

Após uns dias muitíssimo cheios tive, finalmente, um fim de semana mais calmo. Gostei de observar o meu jardim todo florido e de contar as 20 cerejas que a cerejeira teve (maldita mudança de temperatura logo na altura em que as cerejas estavam a crescer...).

(pois é Srs. Melros... gosto de vos ouvir cantar e de vos ver usufruir dao jardim, mas debicar as cerejas é que não pode ser!!!!)
---

Já chegou  o tempo dos jacarandás e da Lisboa violeta!

Que belas cores e surpresas que a natureza nos oferece por estas altura.








domingo, 27 de maio de 2012

Benditos alfarrabistas / Benditas bibliotecas

Há dias de sorte!

Ontem estive presente na BM José Saramago no Feijó para participar na inauguração da Exposição "Alma(d)arriba" que consta na Exposição de trabalhos desenvolvidos por escolas e instituições do concelho durante o ano letivo 2011/2012 no âmbito da parceria estabelecida entre o ICNB – Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade e a Câmara Municipal de Almada visando participar nas comemorações do Ano Internacional das Florestas e biénio 2011/2012 para a promoção da conservação dos Morcegos.

Bom, estando de visita à exposição, dou de caras com um vídeo que procurava há já um ano e que versava a adaptação ao cinema do livro: A Selva" de Ferreira de Castro!!!
Confesso que adorei o livro e que procurava o vídeo para ver as belas paisagens que tão bem eram descritas pelo Ferreira de Castro.
Claro que o requisitei e que, contrariamente ao habitual, achei que o filme não traía o espírito do livro, constituindo até uma boa adaptação!
Vale a pena ler o livro e ver o vídeo! trata-se mesmo de um excelente conjunto de atores, num cenário belíssimo (A Amazónia) interpretando uma obra intemporal 








---

Hoje, mais uma vez por acaso, dou de caras, numa banca de rua, com o livro de Zola "Germinal" que estava na minha lista de compras mais ou menos obrigatórias! nem hesitei um minuto e por UM euro já tenho mais outra leitura para o Verão!

sábado, 26 de maio de 2012

Manguel: 'se extingue el oficio de lector'


Será mesmo que se está a extinguir? 

---


sexta-feira, 25 de maio de 2012

Clássicos da literatura em realidade aumentada

Post retirado daqui

---

Penguin ha decidido implementar la tecnología de realidad aumentada a algunos de los clásicos de la literatura universal, como “Moby Dick” o “Robinson Crusoe”. Una vez más, esta editorial demuestra que se atreve con todo tipo de experimentos y tendencias digitales sin miedo a los resultados. Parece que su modelo se basa en probar contando con sus lectores qué es lo que sí o lo que no funciona.


Para este nuevo proyecto se ha aliado con Zappar, plataforma especializada en realidad aumentada. Para participar de esta tecnología en los libros de Penguin hay que descargar la aplicación de Zappar y enfocar la cámara del teléfono (iOS o Android) hacia el libro. Entonces se ven animaciones, vídeos y audio, además de ver al conocido logo-pingüino que da nombre a la editorial participar de la historia como en un juego interactivo.
Desde Gizmodo se preguntan si tienen sentido este tipo de iniciativas que quizá no aporten el suficiente valor añadido, menos aún a clásicos de la literatura de los que se entiende que han alcanzado tal categoría por unos valores estéticos y literarios lo suficientemente acertados como para necesitar más aditivos. También es cierto que no hay clásico del que no exista una versión cinematográfica, animada, en cómic, novela gráfica o incluso videojuego (en breve prometen sacar nada menos que “Walden”, de Thoreau), que en ningún caso sustituyen al libro, sino que se trata de una interpretación y recreación diferente, mejor o peor logradas en cada caso.
No es tanto la historia  -que evidentemente en cualquier caso siempre se va a defender sola- sino el acierto con que estas versiones añadan algún tipo de valor al público específico –además- al que vaya dirigido. Habrá que ver algo más que el vídeo para ver el resultado real.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

1498 - Mais uma etapa concluída

Uffff. Acabei a tese e vou amanhã entregá-la na sua versão impressa. Depois só faltará a marcação da sua defesa!

Confesso que me deu muito gozo todo este processo e consegui (contra as minhas expetativas) conduzi-lo sem stresses (exceto neste último fim de semana).

Este acabou por ser um ano muito bom em que fui sendo capaz de superar-me e responder a inúmeros desafios. Relembro agora com muito prazer a revisão de capítulos da tese feitas em locais bem diversos: No Alfa, em aeroportos, no café... fez sentido sim e aprendi!

Sobrevivi também a um mês de maio em que tive inúmeras tarefas de responsabilidade para fazer! menos mal (um congresso para organizar, ser júri de um concurso com a inevitável leitura de trabalhos que levam  o seu tempo).

Deve ser por gostar mesmo de desafios que hoje (sem que inicialmente fosse intencional a escolha) acabei por ouvir três vezes seguidas, no carro, o lindíssimo poema da Natália Correia!    

É isso mesmo: nem anjinho, nem morto! aqui estou eu, vivinho da silva e com a esperança de que o melhor da vida ainda estará para vir!

Sem pecado e sem inocência? nem pensar!
De uma história sem enredo não quero fazer parte! 


sábado, 12 de maio de 2012

Cesta de livros na EBI da Charneca de Caparica

Na EBI da Charneca de Caparica

1494 - Estado de Sítio!!!

Acabadinho de sair em Diário da República

Lei Orgânica n.º 1/2012
Assembleia da República
Segunda alteração à Lei n.º 44/86, de 30 de setembro (Regime do estado de sítio e do estado de emergência) 


Para que diabo desejam "eles" atualizar a lei? Não vem aí coisa boa não! e a gente continua na "maior"...

hum...

quinta-feira, 10 de maio de 2012

1495 - ufff...

Estes primeiros dias de maio têm sido de loucos: é a tese que há mesmo que terminar, há o curso europeu que estou a organizar aqui em Portugal ... Juntou-se tudo...

Por vezes, nem sei como não fica nada para trás!

Tem dias que acho que o estado me devia pagar a peso de ouro! Os professores estrangeiros ficam muito bem impressionados com as nossas escolas e o nosso país! Ufff... ainda bem que assim é, porque é verdade! a gente até trabalha muito bem! Há é certas formas de fazer política às quais dá jeito arranjar bodes expiatórios e, nesses casos, são os professores e a função pública que levam com as culpas.

Gostei de os ter levado a uma casa de fados

Hoje, uma visita de fim de dia a Lisboa com eles... Gostei de me imaginar um deles e segui no eléctrico 28. Nunca me cansam as cores de Lisboa
Mais tarde, já sozinho, entro na Bertrand e deparo-me com isto: (fez todo o sentido hoje, ah, pois é, tanta coisa para fazer! a tese, tudo o resto! ah se a minha orientadora soubesse!!!)


    Adiamento
Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã...
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não...
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjetividade objetiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um elétrico...
Esta espécie de alma...
Só depois de amanhã...
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-rne para pensar amanhã no dia seguinte...
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos...
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã...
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro...
Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã...
Quando era criança o circo de domingo divertia-rne toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância...
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital...
Mas por um edital de amanhã...
Hoje quero dormir, redigirei amanhã...
Por hoje, qual é o espetáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espetáculo...
Antes, não...
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei. Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã...
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã...
Sim, talvez só depois de amanhã...
O porvir...
Sim, o porvir...

    Álvaro de Campos

quinta-feira, 3 de maio de 2012

1494 - “Se já estivesse barato, não eram precisos descontos” - Economia - PUBLICO.PT

“Se já estivesse barato, não eram precisos descontos” - Economia - PUBLICO.PT

Não é que me apeteça comentar muito o assunto da cadeia dos hipermercados Pingo Doce e das suas promoções do 1º de Maio, mas gosto sobremaneira do raciocínio deste leitor do "Público" - Faz mesmo muito sentido

 “Mais uma vez, a quem ainda acredita q o #pingodoce fez um favor aos pobres, eis a coisa desmontada pelos próprios” – escreve, por sua vez, bossito, remetendo para um vídeo publicitado no blogue Vias de Facto que, manipulando spots publicitários da cadeia de distribuição, ataca esta acção de promoção com os argumentos usados pelo próprio Pingo Doce para combater a concorrência: “Já parou para pensar porque é que existem descontos? O desconto só existe para se poder baixar um preço que estava caro. Se já estivesse barato, não eram precisos descontos, não é verdade? E com as promoções é a mesma coisa.”