segunda-feira, 1 de novembro de 2010

1204 - Mais sereno...

Após um início de Outono passado com alguma falta de serenidade parece que alguma tranquilidade regressou.

A consciencialização de que há gente que se mantém sempre ao lado e que me dão provas de assim se manterem apenas porque sim.

A consciencialização de que faço algumas coisas bem e que isso faz sentido para os outros e para mim.

A consciencialização de que consigo acabar bem as tarefas a que me vou propondo

A consciencialização de que há muitos outros iguais a mim e que as questões não podem ser pessoalizadas

A consciencialização que este desejo de infinito e de tudo abarcar é inerente à condição humana e é mola e motor do agir e da não acomodação

A consciencialização de que há coração e que há cérebro sempre numa dupla tensão

A consciencialização de que há dias felizes que devem servir para nos aquecer as mãos nas noites de inverno como dizia ontem o António Lobo Antunes (ver post anterior)

Se Eu Pudesse Trincar a Terra Toda

Se eu pudesse trincar a terra toda
E sentir-lhe um paladar,
Seria mais feliz um momento ...
Mas eu nem sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se poder ser natural...
Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva ...

O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja ...

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XXI"
Heterónimo de Fernando Pessoa

1 comentário:

  1. Ainda não consigo ver o teu video.
    Mas acho que trincar a terra toda era uma sensação boa...

    Beijo, João.

    ResponderEliminar