segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

976 - Sonata de Outono




É verdade que as coisas ganham outro sentido quando são partilhadas.
É verdade que valorizo muito o olhos nos olhos e a partilha
É verdade que fiquei a conhecer um pouco melhor o Ary

Obrigado Ary, Obrigado Maria


SONATA DE OUTONO (escrito dois dias antes da sua morte)

Inverno não é 'inda mas Outono
Na sonata que bate no meu peito
Poeta distraído, cão sem dono
Até na própria cama em que me deito

Inverno não é 'inda mas Outono
Na sonata que bate no meu peito
Acordar é a forma de ter sono
No presente e no pretérito imperfeito

Mesmo eu de mim próprio me abandono
Se o rigor que me devo não respeito
Acordar é a forma de ter sono
No presente e no pretérito imperfeito

Morro de pé
Mas morro devagar
A vida é afinal o meu lugar
E só acaba quando eu quiser

Não me deixo ficar
Não pode ser
Peço meças ao Sol, ao céu, ao mar
Pois viver é também acontecer

A vida é afinal o meu lugar
E só acaba quando eu quiser

José Carlos Ary Dos Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário