domingo, 31 de março de 2013

1564 - Flashes de uma vida

Fotos do Fogo

Sérgio Godinho

 

 

Chega-te a mim
mais perto da lareira
vou-te contar
a história verdadeira


A guerra deu na tv
foi na retrospectiva
corpo dormente em carne viva
revi p´ra mim o cheio aceso
dos sítios tão remotos
e do corpo ileso
vou-te mostrar as fotos
olha o meu corpo ileso

Olha esta foto, eu aqui
era novo e inocente
"às suas ordens, meu tenente!"
E assim me vi no breu do mato
altivo e folgazão
ou para ser mais exacto
saudoso de outro chão
não se vê no retrato

Chega-te a mim
mais perto da lareira
vou-te contar
a história verdadeira

Nesta outra foto, é manhã
olha o nosso sorriso
noite acabou sem ser preciso
sair dos sonhos de outras camas
para empunhar o cospe-fogo e o lança-chamas
estás são e salvo e logo
"viver é bom", proclamas

Eu nesta, não fiquei bem
estou a olhar para o lado
tinham-me dito: eh soldado!
É dia de incendiar aldeias
baralha e volta a dar
o que tiveres de ideias
e tudo o que arder, queimar! no fogo assim te estreias

Chega-te a mim
mais perto da lareira
vou-te contar
a história verdadeira

Nesta outra foto, não vou
dar descanso aos teus olhos
não se distinguem os detalhes
mas nota o meu olhar, cintila
atrás da cor do sangue
vou seguindo em fila
e atrás da cor do sangue
soldado não vacila

O meu baptismo de fogo
não se vê nestas fotos
tudo tremeu e os terremotos
costumam desfocar as formas
matamos, chacinamos
violamos, oh, mas
será que não violamos
as ordens e as normas?

Chega-te a mim
mais perto da lareira
vou-te contar
a história verdadeira

Álbum das fotos fechado
volto a ser quem não era
como a memória, a primavera
rebenta em flores impensadas
num livro as amassamos
logo após cortadas
já foi há muitos anos
e ainda as mãos geladas

Chega-te a mim
mais perto da lareira
vou-te contar
a história verdadeira
quando a recordo
sei que quase logo acordo
a morte dorme parada
nesta morada

domingo, 17 de março de 2013

Há males que vêm por bem...

 Há males que vêm mesmo por bem e que acabam por ser oportunidades!

Com uma viagem de avião que começava pelas 22h30 de um dia e acabava às 13h00 de outro dia, divididas em dois voos,  esta foi a oportunidade para poder ler, algo que andava arredado pelas minhas bandas!

Nesta noite cheguei ao meio do livro!

Vale mesmo a pena ler, este é um romance imprescindível para quem quer entender o século XX: Guerra civil espanhola, O fascismo, o ideal republicano, ...

Que bom ter tempo para ler!

“Nenhum homem é uma Ilha, um ser inteiro em si mesmo; todo homem é uma partícula do Continente, uma parte da terra. Se um Pequeno Torrão carregado pelo Mar deixa menor a Europa, como se todo um Promontório fosse, ou a Herdade de um amigo seu, ou até mesmo a sua própria, também a morte de um único homem me diminui, porque Eu pertenço à Humanidade. Portanto, nunca procures saber por quem os sinos dobram. Eles dobram por ti.”
John Donne (1572-1631), poeta e padre anglicano – Meditação XVII, de cujo excerto acima Ernest Hemingway retirou o título da presente obra: Por quem os sinos dobram.

quinta-feira, 7 de março de 2013

As bibliotecas

As bibliotecas....


La Biblioteca al carrer (fotografia de Didier Bernard)

La Biblioteca Escolar, centre neuràlgic del col·legi (il. Mara Cerri)

Hi ha biblioteques antigues que amaguen autèntics tresors (il. Paul Rumsey)

terça-feira, 5 de março de 2013

segunda-feira, 4 de março de 2013

A Biblioteca no metro

Mas que ideia extraordinária! O leitor acede, no metro, a uma listagem de livros que pode ler no seu telemóvel ou tablet. Chegado ao fim da viagem o leitor é convidado a requisitar o livro em papel na biblioteca municipal. Este é mesmo um admirável mundo novo. Brilhante ideia

sexta-feira, 1 de março de 2013

Inauguração da Biblioteca Escolar dos Caranguejais em Almada


Hoje foi um dia muito feliz:

- Porque se inaugurou mais uma Biblioteca Escolar;
- Porque se inaugurou mais uma Biblioteca Escolar no concelho onde nasci,
- Porque os miúdos desta  escola ficarão com melhores possibilidades de aprendizagem e de acesso a uma plena cidadania;
- Porque ela concretiza o sonho de muitos anos e de muita gente que a desejou.

-Porque concretiza um poema que ouvi pela primeira vez quando era um pouco mais velho que os pequenos da foto e que dizia assim:




Pelo sonho é que vamos,
comovidos e mudos.
Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.
Basta a fé no que temos,
basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria
ao que desconhecemos
e ao que é do dia-a-dia.
Chegamos? Não chegamos?
─ Partimos. Vamos. Somos.

Sebastião da Gama
Pelo sonho é que vamos
Lisboa, Ed. Ática, 1992
 
Se na altura gostei dele, mas não o entendi na sua plenitude, hoje passado mais de 30 e muitos anos  cada vez gosto mais dele.

Parabéns à Câmara Municipal de Almada, parabéns à rede de Bibliotecas Escolares, Parabéns à divisão das Bibliotecas da Câmara, Parabéns ao AE de D. António da Costa.